Senado deverá ter pelo menos oito novos senadores a partir de 2023, Roberto Rocha segue indefinido

Oito dos 27 senadores em fim de mandato (10% do total de 81 no Senado) não devem tentar a reeleição em outubro deste ano, segundo levantamento do g1 junto aos gabinetes dos parlamentares.

De acordo com o levantamento, realizado nesta semana, a maioria dos senadores cujos mandatos estão terminando (15 dos 27) afirma que tentará se reeleger. Quatro ainda não decidiram, entre eles o maranhense Roberto Rocha (sem partido).

Diferentemente da Câmara, os mandatos no Senado têm oito anos de duração. Mas as eleições para a Casa também ocorrem de quatro em quatro anos. A cada pleito, o Senado renova, alternadamente, um terço e dois terços dos 81 assentos. Neste ano, a eleição será para um terço das cadeiras, uma de cada unidade da federação — ou seja, 27 vagas.

Dos oito senadores que não devem disputar a reeleição em 2022, quatro dizem que não não concorrerão para o Senado nem para nenhum outro mandato: Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE); Maria do Carmo Alves (DEM-SE); Nilda Gondim (MDB-PB); e Tasso Jereissati (PSDB-CE).

O levantamento verificou também que devem participar das eleições deste ano, mas em busca de outra função: Dário Berger (MDB-SC), que tentará o governo de Santa Catarina; Elmano Férrer (PP-PI), que concorrerá a uma cadeira na Câmara dos Deputados; e Simone Tebet (MDB-MS), atual pré-candidata do MDB à Presidência da República. Paulo Rocha (PT-PA) não decidiu se disputará as eleições, mas o PT no Pará já definiu que o deputado federal Beto Faro (PT-PA) será o candidato da sigla ao Senado.

Sem definição 

Rose de Freitas (MDB-ES) está inclinada a disputar a reeleição ao Senado, mas ainda não declarou a intenção de participar das eleições. O veterano José Serra (PSDB-SP), que completa 80 anos em março, reassumiu o mandato nesta semana após uma licença para cuidar da saúde. Procurado pelo g1, o gabinete do senador informou que ele ainda não decidiu se disputará as eleições deste ano.

Reguffe (Pode-DF) tem cogitado a possibilidade de disputar o governo do Distrito Federal, mas ainda não decidiu se tentará o Executivo local ou se pleiteará mais oito anos no Senado. já Roberto Rocha é o quarto senador em fim de mandato que, até o momento, não declarou se tentará a reeleição. (G1)

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.