Eduardo Pazuello alega motivo de saúde e pede para deixar Ministério da Saúde

Alegando motivos de saúde, o general Eduardo Pazuello teria comunicado ao presidente Jair Bolsonaro que precisará de tempo para se reabilitar e, por essa razão, deve se afastar do Ministério da Saúde. A pasta está sob comando do militar desde a demissão do oncologista Nelson Teich, que ficou no cargo entre 17 de abril e 15 de maio. As informações são do jornal “O Globo”.

De acordo com a publicação, assessores palacianos já estariam em contato com dois médicos cardiologistas cotados para ocupar o ministério. A Ludhmilla Abrahão Hajjar, professora associada da Universidade de São Paulo (USP), é apontada como nome preferido do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e de deputados do Centrão, segundo o blog da jornalista Andreia Sadi. Outra possibilidade seria Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

A expectativa é que a troca de titulares da pasta ocorra nos próximos dias. Vale lembrar: o suposto pedido de afastamento vem ao encontro do momento de pressão de parlamentares, que defendem a mudança de comando da Saúde sob pretexto de má gestão durante a pandemia.

Para além das críticas à gestão de Pazuello, deputados do Centrão confirmaram à reportagem, em caráter reservado, que, com a volta de Lula ao cenário eleitoral, o bloco se sente com mais força para pleitear espaço na administração Bolsonaro.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *