Bolsonaro não é mais unanimidade entre os evangélicos

Jair Bolsonaro já não é mais uma unanimidade entre os evangélicos brasileiros, cada vez mais divididos em relação ao presidente em quem votaram maciçamente em 2018.

“Conversando com alguns líderes, que tinham muitas expectativas nesse discurso de moral cristã, de representações dos direitos da família evangélica, percebi que muitos se arrependeram de ter votado em Bolsonaro e estão preparados para outra mudança. Esse público não é uníssono”, explica à AFP Kléber Lucas, cantor gospel e pastor declaradamente antibolsonarista na Igreja Batista Soul, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro.

Segundo pesquisa do Instituto Ipec, publicada no fim de junho, 59% dos evangélicos disseram “não confiar em Bolsonaro”.

“Para muitos evangélicos, mesmo conservadores, houve uma radicalização do Bolsonaro em relação à sua postura diante da pandemia, sua agressividade, sua defesa quase que irretocável com relação à violência, seu apreço pela ditadura”, explicou Ronilso Pacheco, pesquisador e mestrando do Union Theological Seminary, da Universidade de Columbia, em Nova York.

A pandemia deixou mais de 550.000 mortos no Brasil, devido em grande parte à caótica gestão de Bolsonaro, segundo especialistas.

“Como o movimento evangélico ainda está muito na base da pirâmide social, a falta de recursos e a pobreza aumentada, a distância entre os mais ricos e os mais pobres têm feito o povo refletir um pouco mais”, avalia César Carvalho, pastor da Comunidade Cristã Novo Dia, em Jacarepaguá, também na zona oeste do Rio.

Postagens relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *